• Breaking News

    24 de out de 2017

    Conhecendo a história do Convento da Penha




    Oi amigos, tudo bem? Este post eu preparei quando subi a Ladeira da Penitência do Convento e lá de cima, observei toda a beleza e a fé que emana do local! Gostaria de convidá-lo(a) a me acompanhar nesta caminhada e aprender sobre a riquíssima história do Convento da Penha.


    Também chamado de "santuário do perdão", localizado no bairro mais antigo do município de Vila Velha, o Convento é uma das mais belas e antigas construções do Brasil Colonial e testemunho de grandes acontecimentos históricos e milagrosos. É o mais antigo santuário mariano do país, localizado a 154 metros de altitude e foi construído sobre um rochedo, em 1.558, pelo frei Pedro Palácios. Do seu alto é possível avistar Vila Velha, Vitória e alguns municípios vizinhos. O Convento está cercado pela Mata Atlântica.

    Vista do Convento : Construção do Brasil Colonial 

    Histórias curiosas não faltam em torno do monumento dedicado a Nossa Senhora da Penha. A decisão da construção da capela por Frei Pedro Palácios ocorreu após um fato inusitado: certo dia, o frei acordou e viu que o painel da virgem que encomendara de Portugal desaparecera da Capela de São Francisco, que o frade franciscano havia construído no campinho.Com o objetivo de achar a imagem a qualquer custo, o frei foi à sua procura nas matas da montanha e encontrou a imagem no alto do Morro da Penha, sob duas palmeiras.


    As duas palmeiras hoje abrigam o terço gigante da Festa

    O sumiço do quadro repetiu-se duas vezes e ele foi encontrado no mesmo lugar. Então, Frei Pedro Palácios viu, por meio desses sinais, um “aviso” e a vontade de Nossa Senhora que a capela fosse erguida naquele lugar. A construção da capela começou de imediato.

    Gruta do Frei Pedro Palácios: sua moradia na época

    Em 1562, após a construção da Capela dedicada a São Francisco de Assis, no local hoje denominado largo do Convento (Campinho), foi finalmente edificada, em 1568, no cume do penhasco, a Capela que recebeu a imagem de Nossa Senhora da Penha, vinda de Portugal em 1569. O interior do Convento preserva séculos de história.
    O Convento foi construído diretamente na rocha e ergue-se poderoso quase alcançando o céu!

    Várias lendas integram a história dos milagres de Nossa Senhora da Penha, como quando o Frei Pedro Palácios partia para suas viagens, deixava para seus companheiros (um gato e cachorro) a quantidade de bolinhos de farinha que representavam os dias de sua ausência. E os animais comiam apenas cada uma das suas rações diárias, sendo a última delas no retorno do frei.


    Outra lenda, a “da Penha”, ocorreu logo no início da construção do Convento: o surgimento de uma fonte no local das obras. Chamada de fonte de Nossa Senhora, que possibilitou a realização das obras no local e, depois que elas se encerraram, a fonte secou.

    Fala-se também da procissão marítima do ano de 1769, época em que a seca assolava a capitania. Segundo a lenda, as matas do morro seguiam verdes e viçosas enquanto o resto da região estava em uma profunda seca. Depois da procissão, a chuva caiu. Esse fato foi retratado em uma das telas do pintor Benedito Calixto, que se encontra nas paredes do santuário.

    Seus quadros também retratam as diversas fases e as agressões estrangeiras sofridas pelo Convento:

    A Capela de Nossa Senhora da Penha sofreu várias ampliações e o anexo,foi construído em várias etapas. O Convento da Penha, juntamente com o prédio do museu que é a histórica ex-“Casa dos Romeiros”e a residência de hóspedes , bem como as ruínas das antigas senzalas, vem do longíquo ano 1650.

    Entrada da Capela, no ponto culminante do Convento da Penha

    No interior do Convento, o espaço mais expressivo é o da Igreja com sua preciosa Capela-Mor. O interior da igreja é revestido, parcialmente com madeira em cedro, entalhada com motivos fitomorfos, executada pelo escultor português José Fernandes Pereira, nos anos de 1874 a 1879, inclusive o assoalho com trabalho de marchetaria que no ano de 1980 foi reformado.
    Cúpula da Capela onde é abrigada a imagem da Penha

    No Altar Mor da Igreja, remodelado em 1910, existem mais de 200 peças de 19 tipos diferentes de mármore que adornam o retábulo e colunas. Possui cuidadosa talha de madeira dourada do escultor italiano Carlo Crepaz, adotando a caligrafia de ornamental do ecletismo pontuada por capitéis, coríntios, festões, guirlandas com elementos vegetalistas, medalhões, anjos e frontão, datando do século XIX.

    No centro do retábulo, o nicho de Nossa Senhora, que abriga a Imagem da Virgem da Penha, de origem portuguesa, de 1569. A imagem é ladeada por anjos e querubins e honrada com as imagens dos maiores santos franciscanos: São Francisco de Assis e Santo Antônio de Lisboa e de Pádua.

    Do alto do morro, tem-se uma bela vista de Vitória e Vila Velha.


    Visão do Convento , da Praia da Costa e da cidade de Vila Velha


    Visão de Vitória do alto do Convento: em detalhe a 3ª Ponte e ao fundo o Monte Mestre Álvaro na Serra.

    O Santuário da Penha abrange uma área de 632.226 m² que abriga também um fragmento de Mata Atlântica que é cuidadosamente preservada por meio de parceria com a iniciativa privada.

    Fauna e Flora da Mata Atlântica preservados

    A faixa da Mata Atlântica existente no Santuário da Penha é o mais importante pulmão verde da Cidade de Vila Velha que abriga uma variada flora e fauna. As principais plantas nativas existentes na Mata do Convento são: cajasão, pau d'alho, pau sangue, guapuruvú, ipesão, louro, manjolo, angico branco, quina preta, dentre outros.

    A fauna também é variada, existindo várias espécies de animais e aves, como, por exemplo: gambá, preguiça, faisão, dentre outras...

    Estrada onde passam os carros construída na década de 1940

    Para chegar ao Convento, é possível fazer a maior parte do percurso de carro, pois na década de 1940, construiu-se o novo caminho de acesso rodoviário para o convento, cujo portão foi construído em 1952. Mas também existe uma trilha calçada com pedras rústicas. Esse caminho é conhecido como a Ladeira da Penitência ou a Ladeira das sete voltas e sua existência data da fundação do Convento, tendo já passado por ela personalidades importantes de cenário religioso e político do País, a exemplo do Imperador Dom Pedro II e sua comitiva em 1860. O seu calçamento de pedras é produto do trabalho dos escravos, que ocorreu pelo ano de 1.643, iniciativa do Frei Paulo de Santo Antônio, tendo sido entre 1774 e 1777 renovado e que perdura até os nossos dias. A subida pela Ladeira da Penitência resulta numa caminhada de 457 metros.

    Ladeira da Penitência: escorregadia e íngreme

    Eu fiz esta caminhada juntamente com meus pais e você poderá conferir no vídeo abaixo todos os detalhes da subida. Foi um excelente exercício físico, além de ter sido realizado em um local repleto de história antiga, cultura, arte e arquitetura onde a natureza impera, tudo permeado com muita fé e alegria! Confiram esse momento. Abraços!


    Fontes de Pesquisa

    Imagens: Conventodapenha.org. Google imagens e arquivo pessoal.

    Montanhas

    História

    Praias